BLOG

Iluminação sem mistério (e sem forro de gesso)

Uma das coisas que a gente menos dá bola na hora de decorar a casa e que é responsável por deixar os espaços mais aconchegantes é a “tal” da iluminação. Há quem diga que ela não é tão necessária e não faz tanta diferença assim, mas basta uma única oportunidade de estar num ambiente com luz indireta pra percebermos seu poder de transformação.

 

Sabe quando a gente quer assistir um filme pra relaxar e não quer deixar a sala na claridade nem na escuridão total? Ou quando a gente acha que a sala de jantar precisa de mais luz para que os alimentos fiquem mais visíveis? Ou no dia a dia, quando a gente sente necessidade de uma luminária na cabeceira da cama pra ajudar na leitura e não atrapalhar o companheiro que já pegou no sono? Pois é! É nessas (e em muitas outras) horas que a iluminação entra em ação, criando cenários, deixando os espaços mais agradáveis e funcionais.

 

O jeito mais comum de acrescentar novos pontos de iluminação no teto é através do forro de gesso, mas também é possível explorar a iluminação nas paredes, usando luminárias do tipo arandela. Só que a parte chata disso tudo é que muitas vezes é preciso fazer uma reforma para readequar os pontos de luz e interruptores ao que a gente precisa.

 

Mas e quando o apartamento é alugado e/ou eu não quero encarar uma reforma? O que fazer? É justamente sobre isso que eu quero falar: sobre explorar possibilidades que não exigem grandes transformações e reformas.

 

1- Acrescentando novos pontos de luz ao teto (sem quebradeira)

 

Sempre que eu faço a sugestão de colocar iluminação sobre a mesa na sala de jantar e o cliente não quer fazer reforma eu ouço a seguinte pergunta: “Mas como eu vou colocar uma luminária se o ponto de luz não está exatamente em cima da mesa?”

 

A resposta é: desviando o fio pra onde a gente quer, oras! 🙂 É só a gente comprar uma peça que é usada para segurar o fio – o desviador (facilmente encontrado em lojas de iluminação) – escolher a posição que a luminária vai ficar, fazer a fixação do desviador no teto, passar o fio da luminária por ele e está pronto! Simples assim!

 

E se por acaso você não encontrar o desviador, dá pra usar um ganchinho de metal! Portanto, não tem desculpa heim!

 

sala - projeto carol dias

 

Eu usei esse recurso na minha sala de jantar e deixei o fio bem rente ao teto, mas se você preferir, pode deixar ele mais frouxo. Fica um charme! 🙂

 

Há quem acredite que é feio deixar o fio aparente, mas ó.. vou te dizer que é pior comer no escuro viu?! E te digo mais, usar esse tipo de recurso como parte integrante da decoração faz com que a nossa casa fique mais viva e cheia de personalidade!

 

2- Usando abajur como luz indireta

 

Quando alguém fala em abajur a gente pensa logo no quarto né? Mas ó.. abajur fica ótimo usado na mesinha ao lado do sofá ou até na estante viu? É ele o responsável por trazer aquela luz mais difusa que a gente deseja nos momentos de relaxamento.

 

Não tem mesinha lateral? Então use um abajur de pé! Nessa caso, é possível usar o teto como rebatedor de luz e deixar o ambiente com uma iluminação bem fraquinha e relaxante. Experimenta ai e me conta se não dá certo!

 

Ah! A intensidade da luz vai depender da lâmpada, do tipo de luminária (se é de coluna, direcionável, se tem cúpula..) e do material da cúpula, caso tenha.

 

Carol Dias - como redecorar a sala - quadros

 

Nessa sala, eu usei dois tipos diferentes de luminária. A luminária de piso com cúpula, servindo de abajur e a luminária direcionável presa à prateleira que serve tanto para iluminar os quadros que estão apoiados quanto para jogar a luz pro teto. Taí mais uma dica pra você anotar: luminárias direcionáveis. Dá pra prender na parede ou nas prateleiras e você só precisa ter uma tomada por perto. Mais fácil impossível!

 

3- Apostando em luminárias versáteis

 

Tem dois tipos de luminária que eu gosto muito de usar quando não quero rebaixar o teto com gesso:

 

Trilho com spots

 

iluminação sem segredo e sem forro de gesso

 

Além de nos possibilitar o direcionamento da luz também nos permite escolher o que queremos iluminar. A instalação é simples! É só usar o ponto de luz existente, fixar o trilho ao teto, fazer a instalação elétrica no trilho e posicionar a quantidade de spots desejada. Rapidinho e sem sujeira!

 

Também é possível definir o efeito da luz escolhendo o tipo de lâmpada (dicróica, AR, PAR – todas essas incandescentes). Há quem prefira usar a lâmpada fluorescente, mas como eu gosto de controlar a intensidade da luz usando um dimmer, eu prefiro as lâmpadas incandescentes ou LED dimerizável (infelizmente lâmpadas fluorescentes e LED comum não dimerizam) . O dimmer é fácil de encontrar e instalar e é um ótimo aliado na hora de criar cenários diferentes pro mesmo espaço.

 

iluminação sem mistério -- dimmer

 

Esse é o dimmer. Já percebeu que eu sou fã dele né? 🙂

 

Luminária 2 em 1:

 

iluminação sem mistério -- luminária 2 em 1

 

Esse é mais um tipo de luminária que eu gosto muito de usar nesses casos, ela tem dois tipos de lâmpada: fluorescente tubular e  dicróica (2 de cada).

Eu tenho essa luminária na minha sala de estar e coloquei as lâmpadas fluorescentes para acender em um botão e as dicroicas para acender no dimmer. Dessa forma, tenho 2 opções:  luz geral e/ou luz direcionável e dimerizável. Muitas vezes gosto de iluminar só o principal ponto de interesse alto da minha sala – a estante queridinha.

 

Não conhece minha sala ainda? Então clica aqui pra dar uma espiada.

 

Por último e não menos importante, a dica extra, que hoje fica por conta da luminária que ilustra a capa desse post. Sim, a luminária mais antiga e barata de todos os tempos (acho que paguei 15 reais) – o bocal com cúpula de ferro usado para facilitar o dia a dia dos mecânicos, ganhou espaço na casa de muita gente e tem se mostrado muito versátil por aqui também. Eu já usei pendurada num gancho na minha varanda, apoiada sobre a mesa durante um jantar com amigos e no dia a dia eu uso como abajur na sala. Pra dar uma bossa e deixa-la personalizada, eu coloquei a luminária dentro de um porta velas de vidro. Simples, barato e feito por mim!  🙂

 

iluminação sem mistério --luminária de mecânico

 

Pra não ficar com a luz muito forte e ofuscar os olhos, eu uso essa lâmpada incandescente com refletor.

 

Todas as dicas que eu dei podem ser facilmente executadas por um eletricista! Tirando a da luminária de mecânico, claro! Porque essa você pode fazer sozinho. 🙂

 

E ai? Qual dica se adapta melhor ao que você precisa? Me conta aqui nos comentários!

 

Beijos e até a próxima!

 

Carol Dias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *